O mercado de ETFs no Brasil vêm crescendo muito nos últimos anos. Neste artigo você vai entender se Vale a Pena Investir em ETFs de Renda Fixa.

ETFs são ativos compostos por uma cesta de ativos, com o objetivo de replicar a performance coletiva dos índices específicos que representam.

ETFs de Renda Fixa
ETFs são cestas de ativos

No caso dos ETFs de Renda Fixa, isso não poderia ser diferente. Vamos entender!

Volatilidade da Renda Fixa

Ao contrário dos ETFs de Renda Variável, como o BOVA11 e o IVVB11, que replicam, respectivamente, a performance do IBOVESPA e do S&P500 (em Reais), os ETFs de Renda Fixa geralmente são atrelados ao Índice de Mercado ANBIMA (IMA).

O IMA é uma família de índices calculados diariamente, que tem como base os títulos públicos federais disponíveis no mercado:

  • Índice IRF-M: representa o segmento prefixado, isto é, é composto por títulos públicos prefixados (LTN e NTN-F).
  • Índice IMA-B: carrega os títulos públicos conhecidos como NTN-B, papéis indexados ao IPCA, o índice oficial de inflação.
  • Índice IMA-C: também é composto por títulos públicos atrelados a inflação, através do IGP-M (e não o IPCA), um outro índice que calcula a variação dos preços.
  • Índice IMA-S: é composto pelos títulos pós-fixados atrelados à SELIC, são as chamadas Letras Financeiras do Tesouro (LFT).

É chato entender essas particularidades dos índices, no entanto, sempre digo que o Investidor que deseja expor seu patrimônio a ETFs PRECISA saber exatamente qual o objetivo da sua cesta de ativos.

Não pense que ETFs de Renda Fixa não podem gerar perdas. Os títulos públicos pré-fixados variam de preço ou conforme a taxa SELIC, ou conforme as expectativas futuras em relação a SELIC ou ainda, em alguns casos, conforme a Inflação.

ETFs de Renda Fixa
Observe a Volatilidade dos Preços do Tesouro IPCA+ 2040

O preço dos títulos possui forte relação inversa com os movimentos da SELIC, ou seja, quando a SELIC cai, o preço dos títulos sobe e quando a SELIC sobe, o preço dos títulos cai.

Os preços também são impactados pela inflação em alguns casos, que por sua vez depende das expectativas em relação ao CDI, que mudam diariamente.

Esses dois fatores de precificação fazem com que os títulos de renda fixa pré-fixados sejam voláteis (e nada fixos no curto e médio prazo), podendo até mesmo gerar prejuízos.

Apenas os ativos que o ETF carrega serão responsáveis por sua performance, ou seja, são eles que vão ditar se você vai ganhar ou perder dinheiro. Por isso é preciso se atentar para as características dos títulos.

Resumindo, ETFs de Renda Fixa não são nada fixos

Lista de ETFs

Os ETFs representam um excelente instrumento para gestão de portfólio e, por isso, já são muito populares no exterior e estão chegando no Brasil de maneira cada vez mais forte.

Conforme a B3, existem 6 ETFs de Renda Fixa listados na Bolsa de Valores Brasileira. À seguir vamos abordá-los conforme os ativos que possuem.

ETF BRADESCO IMA-B FUNDO DE ÍNDICE (IMBB11) e IT NOW ID ETF IMA-B (IMAB11)

Ambos estes ETFs de Renda Fixa são compostos por NTN-Bs (títulos pós-fixados), atreladas ao IPCA e mais uma taxa de juros pre-fixada, e possuem como objetivo replicar o índice IMA-B.

O IMBB11 é administrado pela Bradesco Asset e possui taxa de administração de 0,2% ao ano, enquanto o IMAB11 é administrado pelo Itaú e possui taxa de administração de 0,25% ao ano.

ETF BRADESCO IMA-B5 FUNDO DE ÍNDICE e IT NOW IMA-B5+ FUNDO DE ÍNDICE (IB5M11)

A lógica destes ETFs é similar ao IMBB11 e ao IMAB11, no entanto, os ETFs IMA-B5+ são compostos majoritariamente por títulos longos, com datas de vencimento de 5 anos ou mais.

Nesses ETFs de Renda Fixa é preciso atentar para a volatilidade, pois quanto maior o prazo do título, maior é a volatilidade.

IT NOW IRF-M P2 FUNDO DE ÍNDICE (IRFM11)

O IRFM11 é um ETF de Renda Fixa administrado pelo Itaú e tem como objetivo seguir o índice IRF-M P2, o índice de Renda Fixa (pré-fixada) calculado pela Anbima.

Sua carteira teórica é composta por títulos públicos LTN e NTN-F.

Embora sejam pré-fixados, o rendimento destes títulos depende diretamente da expectativa futura das taxas de juros, visto que alteram o preço do ativo.

MIRAE ASSET RENDA FIXA PRE FUNDO DE INDICE (FIXA11)

O FIXA11 é um ETF de Renda Fixa cujo benchmark é o índice S&P/BM&F de Futuros de Taxas de Juros – DI 3 anos, o qual mede o desempenho de uma carteira hipotética composta por contratos de juros futuros de três anos.

O mercado de juros futuros é altamente volátil, por isso, o Investidor que queira se expor ao FIXA11 deve estar preparado para volatilidade.

Este ETF é administrado pela Mirae Asset e sua taxa de administração é de 0,30% ao ano.

Vale a Pena Investir em ETFs de Renda Fixa?

Existem vantagens e desvantagens no investimento em ETFs de Renda Fixa, vamos detalhar isso agora.

Vantagens

  • Investimento mínimo menor do que 100 reais;
  • Liquidez diária (Aplicação D+0, Resgate D+1);
  • Não paga IOF;
  • Imposto de Renda 15 por cento (menor do que renda fixa CDBs e Fundos de Renda Fixa);
  • Não tem spread na compra e venda dos títulos, como tem no Tesouro Direto.

Desvantagens

  • Existência de taxas/comissões
  • Volatilidade (são negociados em bolsa de valores, por isso a cotação destes ativos dependem do mercado)
  • Baixa Previsibilidade (ao comprar determinado título pré-fixado, o Investidor sabe quanto vai receber ao final, o que não acontece em ETFs de Renda Fixa, que não possuem vencimento)

Além destes ETFs de Renda Fixa detalhados neste artigo, também fizemos análises específicas do BOVA11, do IVVB11, dos Melhores ETFs Brasileiros para a Crise em 2020 e dos Melhores ETFs Americanos (para aqueles que desejam expor os seus investimentos ao cenário internacional)

Espero que este artigo tenha sido útil para ajudar você a entender as particularidades dos ETFs de Renda Fixa (que não são nada fixos!)

Quer aprender a escolher as ações certas? Baixe o nosso Checklist Gratuito com os 26 Critérios para Escolher as Melhores Ações!